27.2.09

Acasos

Conheceu-a por acaso no terminal de um aeroporto internacional. Ambos os voos estavam atrasados e acabaram por conversar durante algumas horas. Foi também por acaso que se voltaram a encontrar dois anos mais tarde num supermercado. Embalados pela coincidência foram tomar um café e descobriram que vinham ambos de terminar relações longas e dolorosas. Casaram passados alguns meses e foram até felizes e tiveram até dois filhos e uma casa nos subúrbios.
Foi por acaso que ela voltou ao mesmo aeroporto sete anos depois. Mais uma vez havia um atraso e um companheiro de infortúnio, também ele com o voo atrasado e uma vida que se havia tornado monótona. Por esta altura ela, que do acaso já conhecia as manhas, poupou-se à espera e logo ali ficou combinado um encontro para a semana seguinte.

5 comentários:

  1. este texto está muito bom..o ficar em "aberto" leva-nos a tentar adivinhar o desenrolar.

    parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Aqui também há micronarrativas:
    http://www.revistasamizdat.com/

    ResponderEliminar
  3. boas coisas, gostei... lerei com mais calma o que tens por aqui... abraço!

    ResponderEliminar

 
Add to Technorati Favorites Free counter and web stats