20.4.14

Azul-Avô




O meu avô são dois olhos baços,
um rosto onde os anos pousaram
e pernas sentadas que já não vão
A luz da sala filtrada com o vagar
e a certeza azul de um tempo
Nomes e datas que são precisos,
memória, eco e amor antigo
O meu avô segura o passado
nas mãos que não seguram
Netos incertos, passageiros
encolhendo sempre como dias

1 comentário:

  1. Saudades de ler seus textos. Conexão ruim onde moro agora. Este é lindo e me identifico com este avô azul.
    um abraço feliz por estar aqui.

    ResponderEliminar

 
Add to Technorati Favorites Free counter and web stats