2.3.14

Arder




Duas da manhã e uma cabeça que estremece

Sem esquecimento ou tremendos ossos dos pés

Só vida a passar por ela, gente, vozes, ideias

que não têm por onde ir e vão rugindo doidas

Chegasse uma vida para tantas ideias soltas

Soubesse o verso do branco como folhas

A dor mentida de um homem que poeta

A dor sentida de um corpo que soletra

É, apesar de tudo, uma hora que se aceita

Que ardam os dedos mas fiquem os anéis



 

Sem comentários:

Publicar um comentário

 
Add to Technorati Favorites Free counter and web stats